Na Casa de Meu Pai há Muitas Moradas

“Na casa de meu Pai há muitas moradas.” (Casa de meu Pai=Universo, Muitas Moradas=Pluralidade dos Mundos Habitados)

image002

Diferentes Categorias dos Mundos Habitados

Do ensino dado pelos Espíritos, resulta que as condições dos mundos são muito diferentes umas das outras, quanto ao grau de adiantamento ou de inferioridade dos seus habitantes. Entre eles há mundos em que os que lá encarnam são ainda inferiores aos da Terra, física e moralmente; outros, da mesma categoria que o nosso; e outros que lhe são mais ou menos superiores a todos os respeitos. Nos orbes inferiores, a existência é toda material, reinam soberanas as paixões, sendo a vida moral quase nula. À medida que o planeta se desenvolve, diminui a influência da matéria, de tal maneira que, nos mundos mais adiantados, a vida é, por assim dizer, toda espiritual. Nos mundos intermediários, o bem e o mal se misturam, predominando um ou outro, segundo o grau de adiantamento da maioria dos que os habitam. Embora não possamos fazer dos diversos mundos uma classificação absoluta, podemos dividilos, em virtude do estado em que se acham e da destinação que trazem, tomando por base as características mais salientes, de modo geral, como segue: mundos primitivos, destinados às primeiras encarnações da alma humana; mundos de expiação e provas, onde o mal domina; mundos de regeneração, nos quais as almas que ainda têm o que expiar extraem novas forças, repousando das fadigas da luta; mundos ditosos, onde o bem supera o mal; mundos celestes ou divinos, habitações de Espíritos depurados, onde exclusivamente reina o bem. A Terra pertence à categoria dos mundos de expiação e provas, razão por que aí o homem vive abraçado com tantas misérias.

Os Espíritos que encarnam em um mundo não se acham presos a ele indefinidamente, nem atravessam nele todas as fases do progresso que lhes cumpre realizar, para atingir a perfeição. Quando em um mundo, eles alcançam o grau de adiantamento que esse mundo suporta, passam para outro mais adiantado, e assim por diante, até que cheguem ao estado de puros Espíritos. São outras tantas estações, em cada uma das quais eles se deparam com elementos de progresso apropriados ao adiantamento que já conquistaram. É uma recompensa para eles subirem a um mundo de ordem mais elevada, como é um castigo o prolongarem a sua permanência em um mundo desgraçado, ou serem banidos para outro ainda mais infeliz do que aquele a que se veem impedidos de voltar quando se persistem no mal.

Mundos Inferiores e Mundos Superiores

A qualificação de mundos inferiores e mundos superiores não tem nada de absoluto; é, antes, muito relativa. Tal mundo é inferior ou superior com referência aos que lhe estão acima ou abaixo, na escala progressiva. Tomando a Terra por comparação, podemos fazer ideia do estado de um mundo inferior, supondo os seus habitantes na condição das raças selvagens ou das
nações bárbaras que ainda entre nós se encontram, restos do estado primitivo do nosso orbe. Nos mais atrasados, os seres que os habitam são de certo modo mais rudes. Revestem a forma humana, mas sem nenhuma beleza. Seus instintos não têm a abrandá-los qualquer sentimento de delicadeza ou de benevolência, nem as noções do justo e do injusto. Entre eles, a força bruta é a única lei. Carentes de indústrias e de invenções, passam a vida na conquista de alimentos. Entretanto, Deus não abandona nenhuma de suas criaturas; no fundo das trevas, permanece da inteligência latente a vaga intuição, mais ou menos desenvolvida, de um Ser supremo. Esse instinto basta para torná-los superiores uns aos outros e para lhes preparar a promoção a uma vida mais completa, pois eles não são seres degradados, mas crianças que estão a crescer. Entre os degraus inferiores e os mais elevados, há inúmeros outros, e difícil é reconhecer-se nos Espíritos puros, desmaterializados e resplandecentes de glória, os que foram esses seres primitivos, do mesmo modo que no homem adulto se custa a reconhecer o embrião.

Nos mundos que chegaram a um grau superior, as condições da vida moral e material são muitíssimo diversas das da vida na Terra. Como por toda parte, a forma corporal aí é sempre a humana, mas embelezada, aperfeiçoada e, sobretudo, purificada. O corpo nada tem da materialidade terrestre e por isso não está sujeito às necessidades, nem às doenças ou deteriorações que a predominância da matéria provoca. Por serem mais apurados, os sentidos são aptos a sensações a que neste mundo a grosseria da matéria impede. A leveza específica do corpo permite locomoção rápida e fácil: em vez de se arrastar penosamente pelo solo, desliza, a bem dizer, pela superfície, ou plana na atmosfera, sem qualquer outro esforço além do da vontade, conforme se representam os anjos, ou como os antigos imaginavam os manes nos Campos Elíseos. Por sua vontade os homens conservam os traços de suas passadas migrações e se mostram a seus amigos tais quais estes os conheceram, porém, irradiando uma luz divina, transfigurados pelas impressões interiores, então sempre elevadas. Em lugar de semblantes descorados, abatidos pelos sofrimentos e paixões, a inteligência e a vida brilham com a claridade que os pintores têm figurado no nimbo ou auréola dos santos. A pouca resistência que a matéria oferece a Espíritos já muito adiantados torna rápido o desenvolvimento dos corpos e encurta ou quase anula a infância. Isenta de cuidados e angústias, a vida é proporcionalmente muito mais longa do que na Terra. Em princípio, a longevidade guarda proporção com o grau de adiantamento dos mundos. A morte de modo algum acarreta os horrores da decomposição; longe de causar pavor, é considerada uma transformação feliz, por isso que lá não existe a dúvida sobre o porvir. Durante a vida, a alma, já não tendo a constringi-la a matéria compacta, expande-se e goza de uma lucidez que a coloca em estado quase permanente de emancipação e lhe consente a livre transmissão do pensamento.

Nesses mundos venturosos, as relações, sempre amistosas entre os povos, jamais são perturbadas pela ambição, da parte de qualquer deles, de escravizar o seu vizinho, nem pela guerra que daí decorre. Não há senhores, nem escravos, nem privilegiados pelo nascimento; só a superioridade moral e intelectual estabelece diferença entre as condições e dá a supremacia. A autoridade merece o respeito de todos, porque somente ao mérito é conferida e se exerce sempre com justiça. O homem não procura elevar-se acima do homem, mas acima de si mesmo, aperfeiçoando-se. Seu objetivo é escalar a categoria dos Espíritos puros e esse desejo não é um tormento para ele, porém, uma ambição nobre, que o induz a estudar com ardor para igualá-los. Lá, todos os sentimentos delicados e elevados da natureza humana se acham engrandecidos e purificados; desconhecem-se os ódios, os ciúmes mesquinhos, as baixas cobiças da inveja; um laço de amor e fraternidade prende uns aos outros todos os homens, ajudando os mais fortes aos mais fracos. Possuem bens, em maior ou menor quantidade, conforme os tenham adquirido, mais
ou menos por meio da inteligência; ninguém, todavia, sofre, por lhe faltar o necessário, uma vez que ninguém se acha em expiação. Numa palavra: o mal, nesses mundos, não existe.

No vosso, precisam do mal para sentirem o bem; da noite, para admirarem a luz; da doença, para apreciarem a saúde. Naqueles outros não há necessidade desses contrastes. A eterna luz, a eterna beleza e a eterna serenidade da alma proporcionam uma alegria eterna, livre de ser perturbada pelas angústias da vida material, ou pelo contato dos maus, que lá não têm acesso. Isso o que o espírito humano maior dificuldade encontra para compreender. Ele foi bastante engenhoso para pintar os tormentos do inferno, mas nunca pôde imaginar as alegrias do céu. Por quê? Porque, sendo inferior, só há experimentado dores e misérias, jamais entreviu as claridades celestes; não pode, pois, falar do que não conhece. No entanto, à medida que se eleva e se purifica, o horizonte se abre e ele compreende o bem que está diante de si, como compreendeu o mal que lhe está atrás.  Entretanto, os mundos felizes não são orbes privilegiados, visto que Deus não é parcial para qualquer de seus filhos; a todos dá os mesmos direitos e as mesmas capacidades para chegarem a tais mundos. Todos partem do mesmo ponto e a nenhum deles, Ele beneficia melhor do que aos outros; a todos são acessíveis as mais altas categorias: apenas lhes cumpre a eles conquistá-las pelo seu trabalho, alcançá-las mais depressa, ou permanecer inativos por séculos de séculos no lodaçal da Humanidade.

Mundos de Expiações e Provas

Que vos direi dos mundos de expiações que vocês já não saibam, pois basta observarem o em que habitam? A superioridade da inteligência, em grande número dos seus habitantes, indica que a Terra não é um mundo primitivo, destinado à encarnação dos Espíritos que acabaram de sair das mãos do Criador. As qualidades inatas que eles trazem consigo é a prova de que já viveram e realizaram certo progresso. Mas, também, os numerosos vícios a que se mostram propensos constituem o índice de grande mperfeição moral. Por isso Deus os colocou num mundo ingrato, para expiarem aí suas faltas, mediante penoso trabalho e misérias da vida, até que tenham merecido subir a um planeta mais ditoso. Entretanto, nem todos os Espíritos que encarnam na Terra vão para aí em expiação. As raças a que chamais selvagens são formadas de Espíritos que apenas saíram da infância e que na Terra se acham, por assim dizer, em curso de educação, para se desenvolverem pelo contato com Espíritos mais adiantados. Vêm depois as raças semi civilizadas, constituídas desses mesmos Espíritos em via de progresso. De certo modo elas são raças indígenas da Terra, que aí se elevaram pouco a pouco em longos períodos de séculos, algumas das quais tem podido chegar ao aperfeiçoamento intelectual dos povos mais esclarecidos.

Os Espíritos em expiação – se podemos exprimir dessa forma – são exóticos, na Terra; já viveram noutros mundos, donde foram excluídos em consequência da sua rebeldia no mal e por se haverem constituído causa de perturbação para os bons em tais mundos. Tiveram de ser banidos para o meio de Espíritos mais atrasados por algum tempo, com a missão de fazer que estes últimos avançassem, pois que levam consigo inteligências desenvolvidas e o gérmen dos conhecimentos que adquiriram. Daí vem que os Espíritos em punição se encontram no seio das raças mais inteligentes. Por isso mesmo, para essas raças é que de mais amargor se revestem os infortúnios da vida. É que há nelas mais sensibilidade, sendo, portanto, mais provadas pelas contrariedades e desgostos do que as raças primitivas, cujo senso moral se acha mais embotado. Como consequência, a Terra oferece um dos tipos de mundos expiatórios, cuja variedade é infinita, mas revelando todos, como caráter comum, o servirem de lugar de exílio para Espíritos rebeldes à lei de Deus. Esses Espíritos têm aí de lutar, ao mesmo tempo, com a perversidade dos homens e com a inclemência da Natureza, duplo e árduo trabalho que simultaneamente desenvolve as qualidades do coração e as da inteligência. É assim que Deus, em sua bondade, faz que o próprio castigo resulte em proveito do progresso do Espírito.

Santo Agostinho (Paris, 1862)

Mundos Regenerados

Entre as estrelas que cintilam na abóbada azul do firmamento, quantos mundos não haverá como o vosso, destinados pelo Senhor à expiação e à provação! Mas, também há os mais miseráveis e melhores, como há os de transição, que se podem
denominar de regeneradores. Cada turbilhão planetário, a deslocar-se no espaço em torno de um centro comum, arrasta consigo seus mundos primitivos, de ex ílio, de provas, de regeneração e de felicidade. Já vos foi falado de mundos onde a alma
recém-nascida é colocada dona de si mesma, na posse do livre-arbítrio quando ainda ignorante do bem e do mal, mas com a possibilidade de caminhar para Deus. Já também vos foi revelado de que amplas capacidades é dotada a alma para praticar o
bem. Ah! Mas há as que caem, e Deus, que não as quer destruídas, lhes permite irem para esses mundos onde, de encarnação em encarnação, elas se depuram, regeneram e voltam dignas da glória que lhes fora destinada. Os mundos regeneradores servem de transição entre os mundos de expiação e os mundos felizes. A alma penitente encontra neles a calma e o repouso e acaba por purificar-se. Sem dúvida, em tais mundos o homem ainda se acha sujeito às leis que regem a matéria; a Humanidade experimenta as vossas sensações e desejos, mas liberta das paixões desordenadas de que são escravos, isenta do orgulho que impõe silêncio ao coração, da inveja que a tortura, do ódio que a sufoca. Em todas as partes Os mundos regeneradores servem de transição entre os mundos de expiação e os mundos felizes. A alma penitente encontra neles a calma e o repouso e acaba por
purificar-se. Sem dúvida, em tais mundos o homem ainda se acha sujeito às leis que regem a matéria; a Humanidade experimenta as vossas sensações e desejos, mas liberta das paixões desordenadas de que são escravos, isenta do orgulho que impõe silêncio ao coração, da inveja que a tortura, do ódio que a sufoca. Em todas as partes se vê a palavra amor escrita; perfeita igualdade preside às relações sociais, todos reconhecem Deus e tentam caminhar para Ele, cumprindo-lhe as leis.

Todavia, nesses mundos ainda não existe a felicidade perfeita, mas o começo da felicidade. O homem lá é ainda de carne e, por isso, sujeito às vicissitudes de que só se acham libertos os seres completamente desmaterializados. Ainda tem de suportar provas, porém, sem as dolorosas angústias da expiação. Comparados à Terra, esses mundos são bastante ditosos e muitos dentre vós se alegrariam de habitá-los, pois que eles representam a calma após a tempestade, a restauração após a moléstia cruel. Contudo, menos absorvido pelas coisas materiais, o homem se aproxima do futuro melhor do que vós; compreende a existência de outros prazeres prometidos pelo Senhor aos que deles se mostrem dignos, quando a morte lhes houver de novo matado os corpos, a fim de lhes conceder a verdadeira vida. Então a alma liberta se erguerá acima de todos os horizontes. Não mais haverá sentidos materiais e grosseiros; somente os sentidos de um perispírito puro e celeste, a aspirar as emanações do próprio Deus, nos aromas de amor e de caridade que do seu seio emanam. se vê a palavra amor escrita; perfeita igualdade preside às relações sociais, todos reconhecem Deus e tentam caminhar para Ele, cumprindo-lhe as leis.

Todavia, nesses mundos ainda não existe a felicidade perfeita, mas o começo da felicidade. O homem lá é ainda de carne e, por isso, sujeito às vicissitudes de que só se acham libertos os seres completamente desmaterializados. Ainda tem de suportar provas, porém, sem as dolorosas angústias da expiação. Comparados à Terra, esses mundos são bastante ditosos e muitos dentre vós se alegrariam de habitá-los, pois que eles representam a calma após a tempestade, a restauração após a moléstia cruel. Contudo, menos absorvido pelas coisas materiais, o homem se aproxima do futuro melhor do que vós; compreende a existência de outros prazeres prometidos pelo Senhor aos que deles se mostrem dignos, quando a morte lhes houver de novo matado os corpos, a fim de lhes conceder a verdadeira vida. Então a alma liberta se erguerá acima de todos os horizontes. Não mais haverá sentidos materiais e grosseiros; somente os sentidos de um perispírito puro e celeste, a aspirar as emanações do próprio Deus, nos aromas de amor e de caridade que do seu seio emanam.

Ah! Mas nesses mundos, ainda o homem é falível e o Espírito do mal não tem perdido completamente o seu império. Não avançar é recuar, e, se o homem não se houver firmado bastante na senda do bem, pode recair nos mundos de expiação,
onde, então, novas e mais terríveis provas o aguardam. Então, contemplem à noite, à hora do repouso e da prece, a abóbada
azulada e, das inúmeras esferas que brilham sobre as vossas cabeças, indaguem de vós mesmos quais as que conduzem a Deus e pedi-lhe que um mundo regenerador vos abra seu seio, após a expiação na Terra.

Santo Agostinho (Paris, 1862)

Fonte: Evangelho Segundo o Espiritismo, Cap III.

3-AULA-TEMA-A-CRIACAO-TOPICO-OS-MUNDOS

Pluralidade dos Mundos

55. Todos os globos que se movem no espaço são habitados?
“Sim e o homem terreno está longe de ser, como supõe, o primeiro em inteligência, em bondade e em perfeição. Entretanto, há homens que se têm por espíritos muito fortes e que imaginam pertencer a este pequenino planeta o privilégio de conter seres racionais. Orgulho e vaidade! Julgam que Deus criou o Universo só para eles.”

Deus povoou os mundos de seres vivos e todos esses seres colaboram para o objetivo final da Providência. Acreditar que só haja viventes no planeta que habitamos seria duvidar da sabedoria de Deus, que não fez coisa alguma inútil. Certamente Ele deu a esses mundos um objetivo mais sério do que enfeitar nossa visão. Aliás, nada há, nem na posição, nem no volume, nem na constituição física da Terra, que possa supor que ela goze do privilégio de ser habitada, com exclusão de tantos milhares de milhões de mundos semelhantes.

56. A constituição física dos globos é a mesma?
“Não; em nada se assemelham.”

57. Se não é uma só constituição física para todos os mundos, podemos concluir que os seres que lá habitam tenham organizações diferentes?
“Sem dúvida, do mesmo modo que no vosso os peixes são feitos para viver na água e os pássaros no ar.”

58. Os mundos mais afastados do Sol estarão carentes de luz e calor, por motivo de esse astro se lhes mostrar apenas com a aparência de uma estrela?
“Pensam então que não há outras fontes de luz e calor além do Sol e não levam em conta a eletricidade que em certos mundos desempenha um papel que desconhecem e bem mais importante do que o que lhe cabe desempenhar na Terra? Além disso, já
dissemos os seres não são feitos da mesma matéria e nem têm órgãos iguais aos de vocês.”

As condições de existência dos seres que habitam os diferentes mundos devem ser adequadas ao meio em que vivem. Se jamais houvéramos visto peixes, não compreenderíamos que um ser vivo pudesse viver dentro d’água. Assim acontece com relação aos outros mundos, que sem dúvida contêm elementos que desconhecemos. Não vemos na Terra as longas noites polares iluminadas pela eletricidade das auroras boreais? Que há de impossível em alguns mundos a eletricidade ser mais abundante do que na Terra e desempenhar neles uma função de ordem geral, cujos efeitos não podemos compreender? Bem pode suceder, portanto, que esses mundos tragam em si mesmos as fontes de calor e de luz necessárias a seus habitantes.

Fonte: O Livro dos Espíritos, Cap III.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s